TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

CONTANDO E RECONTANDO HISTÓRIAS

Quando as histórias são contadas com dignidade e veracidade, ajuda-se muito a criança a saber fazer o seu próprio caminho.

Desde a mais tenra idade, todo ser humano é ávido por querer saber o início de tudo, a origem das coisas. Fica vidrado quando escuta alguém contar a sua própria história. Quando criança, pede sempre mais, mais e mais. E volta a pedir inúmeras vezes que sejam repetidos os trechos que a pessoa considerou os mais emocionantes.

Não cansa de ouvir a narração dos fatos mais representativos da sua vida, como os rituais de passagem, que são os episódios marcantes tão necessários para a sua individualidade e integridade. Por que não dizer que esses seriam o seu referencial de orgulho ou de vergonha da sua descendência?

O brasileiro, em geral, com a sua pluralidade e diversidade, encontra nas histórias familiares verdadeiros contos de fada, novelas, dramas, sagas para contar à sua criançada.

Por quê? Por que meu avô veio estudar em São Paulo? Por que tenho olhos azuis? Cabelos loiros? Olhos negros e puxados para cima como chinês? E para baixo como japonês? E a minha irmã, por que é loira e de olhos claros? Cabelos encaracolados, pixaim? E cor negra, parda etc. etc.? Por que meu irmão nasceu com a mancha escura no bumbum? Por que o cabelo enroladinho e negro, e não branco como o meu? Por que tenho três avós?

Vemos nesse interesse e nessa curiosidade da criança pequena a necessidade de conhecer as histórias das raízes familiares e até mesmo de fazer as árvores genealógicas até a quinta geração e, se possível, do lado da família do pai e da mãe: tetravô/tetravó, bisavô/bisavó, avô/avó...

Até os sete anos de idade, a criança sai contando, à moda dela, a sua origem e fica conhecendo o porquê das diferenças e o porquê da religiosidade e das crenças da família. Depois dessa etapa, ela está preparada para aprofundar e entender os porquês das diferenças de cada grupo familiar.

Quando as histórias são contadas com dignidade e veracidade, ajuda-se muito a criança a saber fazer o seu próprio caminho. Sua auto-estima cresce e se fortalece ao saber de onde veio e quem é.

Tudo é importante: o ritual do casamento dos pais, o seu nascimento, o hospital, o primeiro banho, a chegada em casa, a primeira mamada, o batismo, a circuncisão, a apresentação ao terreiro ou a ida ao berçário, à creche ou ao maternal. A primeira chupeta, os paninhos e os bichinhos, "amuletos" que algumas crianças carregam pela vida afora.

As doenças infantis, mesmo amenizadas com as vacinas, são marcantes para as crianças, assim como a chegada de novos irmãos e até de primos. E o ritual da morte!? - episódio que faz parte do ciclo vital, que é o nascer, o viver, o morrer como todo ser vivo, e que hoje é tão negado, camuflado e escondido pelos adultos, que não sabem contar aos filhos sobre enfermidades, hospitais, cemitérios e enterros.

Mesmo com toda a modernidade do mundo atual, escutar sua própria história continua sendo uma necessidade pertinente às crianças. Cabe ao adulto contá-la e recontá-la!
Não sei qual será a necessidade das novas crianças de proveta, de mães de aluguel, de clonagens. Só o tempo nos mostrará! Mas, enquanto a longevidade nos favorecer, vamos nos empenhar em contar histórias e "causos"!

Texto de 2003

(THEREZA SOARES PAGANI ("Therezita") é educadora e diretora da Tearte, escola de educação infantil; e-mail: tepagani@uol.com.br)

Autor: Thereza Soares Pagani ("Therezita")
Fonte: Clique Aqui

   356 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.