GERAL


JOGO DE CARTAS MARCADAS NA AVALIAÇÃO DE ARTIGOS LEVA À RETRATAÇÃO DE 20 TRABALHOS PUBLICADOS NA REVISTA PLOS ONE


Escolha manipulada de avaliadores comprometeu análise de papers sobre pesquisa agrícola

A revista científica PLOS ONE anunciou no dia 3 de agosto [de 2022] a retratação simultânea de 20 artigos em decorrência de violações éticas na análise da qualidade desses trabalhos. Por meio de um conluio entre editores e revisores, estudos da área da agricultura submetidos para publicação foram direcionados a avaliadores que esconderam conflitos de interesse e ligações com autores de manuscritos. Mais de uma centena de Papers está sob investigação e a lista de cancelados possivelmente irá aumentar nos próximos meses. “Concluímos que o processo de revisão por pares ficou comprometido e inconformidades com nossa política editorial tornam necessárias as retratações”, anunciou, no blog da revista, a bióloga molecular Renee Hoch, chefe da equipe de ética da editora PLOS, da qual a PLOS ONE é o carro-chefe.

O caso começou a ser investigado em março, quando um editor do periódico percebeu uma anomalia em uma relação de manuscritos da área de agricultura: em um período de 10 meses, certo autor havia pedido para publicar mais de 40 trabalhos de sua autoria, em um arroubo de produtividade por si só considerado suspeito. Foi realizada uma apuração, que encontrou coincidências estranhas. O autor, cuja identidade não foi revelada, sempre costumava solicitar que seus textos fossem avaliados por um mesmo editor acadêmico. Essa função, nas revistas PLOS, é desempenhada por consultores externos, selecionados pelo corpo editorial. Embora não façam parte dos quadros profissionais dos periódicos, os editores acadêmicos tomam decisões sobre os manuscritos e organizam o processo de revisão por pares, convidando pesquisadores que conhecem em profundidade o tema abordado pelo artigo para verificar a robustez e a qualidade de seu conteúdo.

Uma análise dos demais autores dos manuscritos e dos revisores escolhidos para avaliá-los trouxe à tona nomes que se repetiam e evidências concretas de má conduta – em alguns casos, revisores e editores acadêmicos mantiveram colaborações com autores ou eram vinculados à mesma instituição deles, mas não declaravam o conflito de interesse. Concluiu-se que esse jogo de cartas marcadas atingiu a revisão de 300 trabalhos submetidos desde 2020, 100 dos quais já haviam sido publicados. A maioria dos envolvidos atuava na PLOS ONE desde 2020. Não se sabe ao certo como o esquema funcionava, mas Hoch acredita que a rede oferecia facilidades para publicar artigos. O número exagerado de papers assinados por alguns pesquisadores também pode ser um indício, segundo ela, de que eles não sejam os verdadeiros autores.

Um grupo de 41 autores e editores encarregou-se de 10 ou mais artigos avaliados. Quase metade era composta por pesquisadores do Paquistão, enquanto outros eram vinculados a instituições de China, Turquia, Arábia Saudita e Índia. Um determinado editor acadêmico foi solicitado a gerenciar um quarto de todas essas submissões e acabou cuidando da revisão de mais de 30 manuscritos.

A retratação em massa causou controvérsia porque, até o momento, não foi possível apontar problemas no conteúdo ou na qualidade dos artigos cancelados – as violações éticas se concentram nos processos relacionados à avaliação. Nos 20 papers, a PLOS ONE informa que eles fazem parte de “uma série de submissões para as quais há dúvidas sobre autoria, interesses conflitantes e revisão por pares”. Os autores, naturalmente, protestaram. “Discordo da retratação e não compreendo seus motivos. Todos os dados e processos respeitaram rigorosos procedimentos de segurança, sem nenhum tipo de violação”, afirmou, de acordo com o site Retraction Watch, Yunzhou Li, pesquisador do Colégio de Agricultura da Universidade Guizhou, na China, e autor de quatro papers cancelados. Os artigos tratam de fungos que atacam nêsperas, melhoria da qualidade do arroz sob estresse hídrico, efeitos da aplicação de zinco e silício em plantações de trigo e impacto de inseticidas e extratos de plantas no combate ao inseto que espalha o vírus do mosaico amarelo em feijoeiros.

Já Subhan Danish, do Departamento de Ciências do Solo da Universidade Bahauddin Zakariya, no Paquistão, sustenta que não teve ingerência na escolha dos revisores dos dois papers de sua autoria que foram invalidados: um sobre as propriedades antimicrobianas e antioxidantes de uma planta e outro sobre o uso de uma técnica de espectrografia no estudo de duas espécies vegetais. “A escolha coube ao editor. Estamos sendo punidos por um crime que não cometemos.” Muhammad Hamzah Saleem, afiliado à Universidade Agrícola Huazhong, na China, e autor também de um par de artigos retratados, diz que recomendou o nome de dois editores acadêmicos para analisar seus manuscritos, mas a sugestão não foi acatada. Ele disse não ter nenhuma relação com Saqib Bashir, da Universidade Ghazi, no Paquistão, o editor acadêmico responsável pela revisão dos manuscritos. “Bashir não é nosso amigo”, afirma.

Fraudes em processos de revisão por pares não são uma novidade, mas em geral os exemplos ocorrem em publicações que tratam a avaliação de modo negligente. Esse perfil não combina com os das revistas da coleção PLOS, sigla para a organização sem fins lucrativos Public Library of Science (PLOS). Lançada como periódico on-line em 2006, a PLOS ONE é conhecida por manter um corpo de revisores de alto nível e pelo pioneirismo em divulgar conteúdo científico de qualidade exclusivamente no meio digital. Tornou-se um dos primeiros mega-journals, denominação de títulos que disseminam um grande volume de trabalhos em acesso aberto na internet. Além da PLOS ONE, também são publicados títulos como PLOS Biology, PLOS Computational Biology, PLOS Genetics e PLOS Pathogens.

A descoberta do conluio foi possível depois que a PLOS investiu na formação de uma equipe, liderada por Hoch, que se dedica a investigar problemas éticos. O time foi criado em 2018 para apurar um surto de denúncias de manipulação de imagens em papers publicados entre 2014 e 2016. No ano passado, a equipe foi ampliada para tornar mais ágeis as investigações e dar conta de analisar um grande número de casos pendentes – tarefas que se concentravam em uma pessoa passaram a ser realizadas por um time de cinco editores seniores. A PLOS anunciou que vai promover mudanças em seus processos de submissão e pré-publicação. Deverá introduzir uma checagem extra de interesses conflitantes entre autores e editores acadêmicos. E promete investigar a fundo como o esquema foi montado. “Estamos muito preocupados que nosso quadro de editores, no qual a revista confia tanto, pareça estar envolvido na manipulação de revisão por pares”, disse Hoch ao Retraction Watch. “Levamos essa vulnerabilidade muito a sério. Isso tem implicações muito importantes.”


Autor: Fabricio Marques
Fonte: PESQUISA FAPESP, ano 23, n. 309, p.6-7, set. 2022

   282 Leituras


Próximo Ítem

author image
CIENTISTA DE DADOS MOSTRA QUE TRABALHOS COM RESULTADOS NÃO CONFIRMADOS CONTINUAM A RECEBER CITAÇÕES
Novembro/2023

Ítem Anterior

author image
ACADEMIA EXPULSA ASTROFÍSICO POR ASSÉDIO SEXUAL
Março/2023



author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.