ONLINE/OFFLINE


TAGARELICES TECÁRIAS SOBRE TAGS MARC21 ATUALIZADAS

O Formato MARC, apesar de “cinquentão”, segue renovando suas características em relação à documentação bibliográfica. O “tiozão” dos registros bibliográficos ainda seduz pela sua completeza na descrição documental impressa, e também agora na jovem documentação digital.

 

O bibliotecário ou qualquer outro profissional pode até inventar seu próprio método de organizar a informação bibliográfica ou de catalogá-la, mas tal procedimento seria uma maneira de isolamento, limitando as opções, e gerando muito mais trabalho para si mesmo (há gente que assim procede). A adoção do padrão MARC evita duplicação de trabalho e permite que a biblioteca possa melhor compartilhar os seus recursos. Ela tem a possibilidade de obter registros bibliográficos estruturados e confiáveis. Se ao contrário opta por desenvolver seu próprio sistema local (não baseado no MARC ou em padrão internacionalmente reconhecido); ou prefere adquirir um software não aderente ao padrão, deixará de usufruir das possibilidades atuais do formato cuja finalidade é promover a comunicação de informações e possibilitar a catalogação social.

 

A adoção do MARC também permite que as bibliotecas façam uso de sistemas de automação disponíveis comercial ou gratuitamente para a gestão de suas operações. sistemas disponíveis para bibliotecas de todos os tamanhos, e que são mantidos e melhorados pelos seus desenvolvedores, para que as pessoas (bibliotecários e seus usuários) se beneficiem dos avanços tecnológicos. O padrão MARC possibilita que a biblioteca substitua seu sistema por outro com a garantia de que seus dados serão migráveis e preserváveis.

 

Esse preâmbulo inicial enfatiza que para cumprir com suas premissas o MARC, sistematicamente, desenvolve atualizações. No site do padrão, mantido pela Library of Congress (www.loc.gov/marc/), encontra-se disponibilizado a atualização n º 10 (Outubro 2009) que integra a documentação do formato bibliográfico: completo e condensado, bem como dos demais formatos da família MARC. A documentação inclui as alterações realizadas no MARC 21 e que são resultantes de propostas analisadas pelos comitês:  ALA – ALCTS/LITA/RUSA Machine-Readable Bibliographic Information Committee (MARBI), o Canadian Committee on MARC (CCM) e o Bibliographic Standards Group (BIC), em 2009. Muitas das mudanças na atualização apresentada foram feitas para acomodar as novas regras de catalogação: Resource Description and Access (RDA). O que sinaliza a adoção do novo código de catalogação como suporte semântico ao padrão.

 

Em realidade, informações no site oficial do MARC, salientam que no final de fevereiro de 2010, o Network Development and MARC Standards Office irá publicar a norma de atualização onze (Update 11), incorporando as alterações aprovadas em janeiro de 2010, e incluindo diversas mudanças relativas ao uso do RDA. Listam-se abaixo as últimas correções (atualização n º 10).

 

Campos de controle

Destaque as alterações do Formato MARC 21 para Dados Bibliográficos. Iniciando pelos novos designadores de conteúdo existentes nos campos fixos de descrição física da etiqueta 007 que contém as características físicas de um item, de forma codificada e que derivam das dos dados bibliográficos informados em outros campos do registro MARC 21, especialmente do campo 300 (descrição física) ou do campo de notas (5xx).

 

Os códigos alterados na etiqueta 007 são relativos aos seguintes tipos de materiais:

 

  • Recursos eletrônicos (Electronic resource), antes denominado:  Arquivos de Computador, no designador específico de material – 01 com inclusão dos códigos:
    • d - Computer disc
    • e - Computer disc cartridge
    • k - Computer card

 

  • Microformas (Microform), no designador específico de material – 01 com inclusão dos códigos:
    • h - Microfilm slip
    • j - Microfilm roll

 

  • Filme (Motion Picture), no designador específico de material – 01 com inclusão dos códigos:
    • - Film roll
    • f - Filmstrip

 

  • Material não projetável (Non-projected graphic), no designador específico de material – 01 com inclusão dos códigos:
    • a - Activity card
    • k - Poster
    • p - Postcard
    • q - Icon in
    • r - Radiograph
    • s - Study print
    • v – Photograph

 

  • Globo (Globe), no designador do meio físico (Physical medium) – 04 [designador para o tipo de material no qual o item documental é feito], com inclusão dos códigos:
    • i - Plastic
    • l - Vinyl
    • n - Vellum
    • v - Leather
    • w - Parchment

 

  • Mapa (Map), no designador do meio físico (Physical medium) – 04 [designador para o tipo de material no qual o item documental é feito], com inclusão dos códigos:
    • i - Plastic
    • l - Vinyl
    • n - Vellum
    • v - Leather
    • w - Parchment

 

  • Material não projetável (Non-projected graphic), nos designadores para suporte primário de material (Primary support material) – 04; e para suporte secundário do material (Secondary support material) – 05, com a inclusão dos mesmos códigos em ambos:
    • i - Plastic
    • l - Vinyl
    • n - Vellum
    • v - Leather
    • w - Parchment

 

Quanto aos designadores para: Globo, Mapas e Material não projetável, observa-se que o código i se refere ao suporte em material plástico, os demais códigos representam tipos de pergaminhos, ampliando as opções para indicação de suportes antigos normalmente encontrados em museus.

 

Outras atualizações são encontradas na etiqueta 008 (campos fixos de dados) que contempla 40 posições (00-39) para inserção de informações codificadas sobre o registro em sua totalidade ou nos aspectos específicos do material descrito. São dados utilizados para recuperação e gerenciamento dos registros bibliográficos. Os tipos de materiais e as posições fixas que sofreram inclusão de novos códigos são:

 

  • Mapa (Map), na posição 22-23 (Projeção/Projection), com inclusão dos códigos:
    • bk - Krovak
    • bl - Cassini-Soldner

 

  • Música (Music), posição 18-19 (Forma da composição/Form of composition), com inclusão dos códigos:
    • fl - Flamenco
    • tl - Teatro lirico in
    • vi - Villancicos
    • za - Zarzuelas

 

  • Música (Music), agora na posição 20 (Formato da música/Format of music), com inclusão dos códigos:
    • h - Chorus score
    • i - Condensed score
    • j - Performer-conductor part

 

Indicadores

Os indicadores contêm valores que permitem interpretar ou complementar os dados inseridos em um determinado campo. Eles são definidos de forma independente para cada campo, possuindo significados específicos, enquanto divididos em primeiro e segundo indicador. Bom relembrar que os indicadores podem conter qualquer caractere alfabético ou numérico (na maioria), ou ainda um espaço em branco simbolizado por um sinal, normalmente #. O espaço em branco é utilizado para quando o indicador é indefinido ou para dar sentido negativo ao mesmo (do tipo “informação não fornecida”) como opção de escolha para um campo. No caso da atualização do MARC 21, encontra-se alteração de indicadores para a etiqueta/tag 080 – CDU – Classificação Decimal Universal, que é um campo repetitivo (R). Os indicadores que anteriormente eram indefinidos, com cada um contendo branco (#), agora teve mudado o primeiro indicador:

 

  • Primeiro indicador – Tipo da edição/ Type of edition
    • # - No information provided
    • 0 – Full (entendida como número de classificação de edição completa da CDU)
    • 1 – Abridged  (entendida como número de classificação de edição abreviada)

 

Código de Subcampo

Identificam elementos de dados dentro de um campo para manipulação e ordenamentos em separados. Os códigos de subcampo em formato MARC 21 são compostos (normalmente) de dois caracteres, sendo um delimitador de subcampo (símbolo gráfico: $, %, |, / ou outros), seguido de um identificador de elemento de dado que pode ser caractere alfabético (em minúsculo) ou numérico. No caso da atualização é incluídos os seguintes códigos de subcampo nas etiquetas/tags de campos:

 

  • $i Relationship information (R), para:
    • 700 – Entrada Secundária de Nome Pessoal / Added Entry-Personal Name
    • 710 – Entrada Secundária  de Nome Corporativo / Added Entry-Corporate Name
    • 711 – Entrada Secundária de Nome de Evento / Added Entry-Meeting Name
    • 730 – Entrada Secundária de Título Uniforme / Added Entry-Uniform Title

 

  • $u Uniform Resource Identifier (R), para
    • 510 – Notas de citação e de Referência / Citation/References Note

 

  • $2 Source (NR) [identifica a origem do termo inserido no subcampo $a], para
    • 257 – País da Instituição Produtora / Country of Producing Entity

 

  • $3 Materials specified (NR), para:
    • 534 – Nota de versão original / Original Version Note

 

  • $4 Relationship Code (R), para:
    • Campos de ligação de entrada / Linking Entry fields 760-787

 

Os campos de ligação de entrada destinam-se a inclusão de dados que permitam especificar os relacionamentos entre os itens ou materiais catalogados. Para melhor detalhamento ler tradução do MARC 21, de Ferreira.

 

Campos

Nos registros em MARC, os dados bibliográficos se organizam em campos que são identificados por uma tag de três caracteres. Embora a norma ANSI/NISO Z 39.2 (especifica os requisitos para intercâmbio entre formatos de vários tipos de dados, em especial os baseados na descrição bibliográfica), indique que a etiqueta/tag possa ser constituída de caracteres gráficos ASCII alfabéticos (A-Z, maiúscula ou minúscula) ou numéricos (números inteiros de 0-9), o MARC21 só utiliza etiquetas numéricas. No caso da atualização novos campos foram propostos, a saber:

 

  • 336 Content Type (R)
    • O campo é utilizado em conjunto com o campo Líder/06 (tipo de registro), que indica o tipo geral de conteúdo do registro. O campo 336 contempla informações que permitem a expressão de tipos específicos de conteúdos.

 

  • 337 Media Type (R)
    • O tipo de mídia reflete o tipo de dispositivo de intermediação necessário para visualizar e manusear o conteúdo descrito. O campo é uma alternativa ou complemento à expressão codificada do tipo de mídia no campo  007/00 (categoria do material). O campo 337 contempla informações que permitem a indicação de tipos específicos de mídias.

 

  • 338 Carrier Type (R)
    • O tipo de suporte indica o  formato do seu meio de armazenamento e localização em combinação com o tipo de mídia (que indica o dispositivo de intermediação necessário para visualização e manuseio do conteúdo). O campo é utilizado como uma alternativa ou complemento à expressão codificada de tipo de suporte no campo 007/01 (designação específica do material).

 

  • 588 Source of Description Note (R)
    • Etiqueta de campo do bloco relativo a área das notas. Trata da inclusão de informações utilizadas para monitorar e controlar os metadados contidos no registro. Inclui fontes geral e específica das notas de descrição que sejam de particular interesse para outros catalogadores.

 

 Alterações de nomes de subcampos das seguintes etiquetas/tags

 

257 - Country of Producing Entity (R) / País da Instituição Produtora

Anteriormente denominado: País da Instituição produtora do filme de arquivo (NR). Era um campo não repetitivo e alterou agora para campo repetitivo. Contempla o nome ou abreviação do país ou países onde se localiza principal escritório da entidade produtora.  A entidade produtora neste caso é a empresa ou o indivíduo informado na indicação de responsabilidade (subcampo $ c, do campo 245 – Título). O subcampo alterado desta etiqueta é:

  • $a Country of producing entity for archival films (País da instituição produtora do filme de arquivo) alterado para: Country of producing entity (País da Instituição Produtora).

 

Campos de ligação de entrada / Linking Entry fields 760-787, apresentam alterações de nomenclatura nos seguintes subcampos:

 

  • $g Relationship information (informação de relação) alterado para  Related parts
  • $i Display text (texto exibido) alterado para Relationship information

Nota-se que  a denominação do subcampo $g foi transferida para o subcampo $i.

 

Campos com a nomenclatura alterada

Como mencionado o campo:

257Country of Producing Entity for Archival Films alterado para Country of Producing Entity

 

Já, o campo 787Nonspecific Relationship Entry alterado para Other Relationship Entry

 

Nos manuais traduzidos, o campo é identificado como: Entrada de relação não específica, utilizado para inclusão de informações referentes a trabalhos/materiais relacionados, quando esses relacionamentos não se adaptam a nenhuma das definições contempladas nos campos 760-785. Em muitos casos, uma nota é registrada no campo 580 que define o relacionamento específico. Esse entendimento ocorre quando a definição conceitual do campo se mantém.

 

Mudanças na repetibilidade de campos e Subcampos

 

O campo 257Country of Producing Entity  passa de não repetitivo (NR) para repetitivo (R).

 

Nos subcampos:

 

  • $a Country of producing entity do campo 257: de NR para R.
  • $i Relationship information nos campos de ligação de entrada / Linking Entry fields 760-787: de NR para R.

 

  • $x International Standard Serial Number – ISNN no campo 490 – Informação de Série / Series Statement: de NR para R.

 

Apenas para relembrar, no bloco de entrada de série a etiqueta 440 tornou-se obsoleta a partir da atualização de número 9, apresentada em 2008.

 

Para finalizar

 

As alterações aqui listadas ilustram a atualização continua pela qual passa o formato MARC 21, que sinalizam também as mudanças pela qual passa o processo de catalogação. Os documentos impressos e agora os digitais encontram cobertura no padrão. Certamente, os documentos digitais  ganham maior espaço de cobertura. É fato que as competências dos catalogadores aumentam de complexidade, e suas práticas se inovam. Os ambientes das redes eletrônicas é a nova fronteira de desafio para os bibliotecários catalogadores.

 

Como apoio utilizou-se as publicações:

MARC 21: formato condensado para dados bibliográficos. Trad. de Margarida M. Ferreira. 2 ed. Marília : UNESP, 2002.

Byrne, Deborah J. Manual MARC: cómo interpretar y usar registros MARC. Buenos Aires : GREBYD, 2001.


   214 Leituras


author image
FERNANDO MODESTO

Bibliotecário e Mestre pela PUC-Campinas, Doutor em Comunicações pela ECA/USP e Professor do departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA/USP.