GERAL


PRINCETON PAGARÁ US$ 1,2 MILHÃO PARA CORRIGIR INIQUIDADES SALARIAIS


A Universidade de Princeton, uma das mais antigas e prestigiosas dos Estados Unidos, irá pagar pouco mais de US$ 1 milhão em salários retroativos a um grupo de 106 professoras. A decisão se deu no início de outubro após investigação do Departamento de Trabalho daquele país ter identificado disparidades nos valores pagos a elas entre os anos de 2012 e 2014, em comparação ao montante pago a homens ocupando cargos equivalentes. A universidade não admite ter cometido irregularidade, mas concordou em ressarci-las em US$ 925 mil em salários retroativos, além de US$ 250 mil em ajustes salariais no futuro, de modo a “evitar litígios demorados e caros, bem como seus impactos no corpo docente e na própria universidade”, disse Ben Chang, porta-voz de Princeton, ao jornal The New York Times. A instituição também concordou em se empenhar para identificar e corrigir outras disparidades e, assim, garantir maior equidade entre seus funcionários. Dados recentes divulgados pelo Chronicle of Higher Education indicam que as professoras de Princeton receberam cerca de US$ 235 mil cada uma em 2018, enquanto os professores auferiram US$ 253 mil.


Fonte: Pesquisa FAPESP. Ano 21, n. 297, p. 13, nov. 2020

   80 Leituras


Sem Próximos Ítens

Ítem Anterior

author image
NÃO LI, MAS GOSTEI
Setembro/2021



author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.